Alimente sua alma. Inspire Sonhos!
Telefone
Um escritor angolano no Brasil: Isidro Sanene

Meu encontro com a literatura foi muito cedo. Na época, eu era apenas um menino, vendedor de broa e mufete em um mercado informal de Angola. Gostava muito de ler sobre as histórias de caça do meu povo. Os meus pais estavam mergulhados em uma guerra civil que dizimou milhares de pessoas, inclusive meus familiares.

Eu sempre fui de sonhar, acreditar e pensar que algum dia mudaria a minha história. Pensava em escrever um livro, mas era quase impossível, pois não tinha recursos suficientes para publicar. Procurei muitas pessoas e as portas se fechavam cada vez que eu batia por ajuda. Não desisti deste sonho, eu queria ser escritor!

A história é longa, mas foi aos 21 anos que publiquei o meu primeiro livro, “Utopia das Marés”, pela editora Kat (mesmo nome de minha cidade). Minha vida de poeta sempre esteve relacionada com as artes plásticas.

Meu sonho não ficou por aí, queria ir mais longe, conhecer outros lugares e expandir minhas ideias para o mundo, mesmo sem ter apoio financeiro. A primeira vez que saí do meu país foi apenas com a roupa do corpo. Nada levei, somente a coragem de trilhar novos caminhos e dar voz aos meus sonhos. Estudei bastante, mesmo sem recursos para pagar cursos técnicos e formação acadêmica. Estudo até hoje.

Com meu próprio esforço, publiquei o livro “Pedaços da Alma”, no ano de 2012. Essa publicação foi um sucesso em Angola e aqui no Brasil. Lancei também no Brasil e na Argentina (versão em espanhol) um CD de poesias com o título SourceBios, tudo sem ajuda financeira.

Recordo-me de quando ia ao centro da cidade de São Paulo em alguns bares e restaurantes. Vendia meus poemas em papel soft, pedia ajuda, comercializava alguns exemplares de mão em mão na Avenida Paulista.

Recebi muita ajuda divina, minha vida é um grande milagre, pois poderia ter morrido na guerra civil do meu país. A cidade em que eu morava estava sob as ordens dos rebeldes, mas Deus me ajudou e foi a favor da minha história, todo esse tempo ainda está presente em minha memória.

Quero mudar o mundo com os meus escritos. A arte, em minha opinião, é uma forma de mudar realidades. É desse jeito que faço minha militância.

Recentemente, lancei na Bienal Internacional do Livro em São Paulo a minha mais recente obra literária: “A Escravidão no Tempo da Liberdade”, com versão em espanhol La Esclavitud en Tiempo de la Libertat. Um livro maduro, com uma escrita bem mais enfática sobre a nossa sociedade. O livro é uma denúncia e, ao mesmo tempo, um despertar sobre nossas vivências.

Em novembro deste ano lançarei um livro de contos infantis, histórias sobre o meu povo e a forma como éramos livres antes dos portugueses chegarem.

Tenho dito que sou apenas um homem no corpo de Deus, vendo sonhos por tudo quanto é canto. Afinal, sonhar não paga imposto não é mesmo?

Adicionar Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados *