Alimente sua alma. Inspire Sonhos!
Telefone
“Foi uma época de idealismo”, entrevista com Luciano Manga, ex-vocalista do Oficina G3

Luciano Manga é pastor e músico. Ele fez parte da primeira formação da banda Oficina G3, como vocalista. Nossa equipe bateu um papo com ele. Confira na íntegra a entrevista!

Inspirando Sonhos: Você acompanhou o começo do Rock Gospel no Brasil. Como foi essa época? Existe muita diferença na atualidade, quando comparamos com este tempo?

Foi uma época de idealismo, missão e proclamação. As bandas não queriam apenas tocar, mas também testemunhar e proclamar o reino de Deus. A diferença para hoje é enorme, pois não vejo idealismo por uma causa e muito menos usar a música como uma voz para essa geração.

Jean Carllos, Luciano Manga, Juninho Afram, Walter Lopes (Waltão) e Duca Tambasco

Inspirando Sonhos: Quais são as suas memórias da Igreja Cristo Salva?

As melhores possíveis. A Cristo Salva foi uma escola para mim. Muito do que sou eu foi forjado lá.

Inspirando Sonhos: Acreditamos que em sua época de Oficina G3 o trabalho que mais projetou a banda foi Indiferença. Como foi gravar este lendário disco até hoje reconhecido como um dos melhores do Rock Gospel brasileiro?

Falávamos e cantávamos o que iria fazer a diferença na sociedade: fazer algo relevante e transformador. O CD Indiferença foi feito com intuito de reverter o valor da venda de CD’s para ajudar os trabalhos sociais que eram desenvolvidos na época pela Igreja Renascer em Cristo.

Luciano Manga, Duca Tambasco e Juninho Afram

Inspirando Sonhos: Qual é seu livro preferido? Pode discorrer um pouco sobre ele para que mais pessoas conheçam?

São inúmeros livros que me tocaram profundamente, mas o que me arrancou lágrimas foi “Maravilhosa Graça”, de Philip Yancey. A maneira como o autor discorre sobre a Graça é de uma preciosidade incrível. Escreve com leveza e doçura.

Inspirando Sonhos: Meus dias de Oficina G3. Como foi o processo de escrita deste livro? Pode dar uma pitada para aguçar a curiosidade das pessoas que ainda não entraram em contato com o material?

A ideia se deu porque para onde vou me fazem perguntas sobre o Oficina G3. Pensei comigo: vou escrever um livro contando ou tentando responder algumas dessas perguntas que me fazem. Lógico que não consegui responder a todas as perguntas. Quem sabe não escrevo um volume dois (risos!).

Inspirando Sonhos: Qual filme você considera importante indicar? Pode discorrer um pouco sobre ele para que mais pessoas conheçam?

Está aí outra arte que amo. Mais uma vez terei de citar um filme que mexeu com minhas emoções, “Uma Mente Brilhante”, que conta a história de John Forbes Nash Jr., que era esquizofrênico, porém, com uma inteligência incrível que o levou a elaborar uma teoria revolucionária. O ator Russell Crowe está impecável neste filme.

Inspirando Sonhos: Você fez algumas apresentações junto com Zé Bruno, vocalista e guitarrista do Resgate, e Marcão, que era vocalista do Fruto Sagrado. Pretendem fazer mais apresentações em outras regiões do Brasil ou se trata apenas de um projeto pontual? Como surgiu a ideia do RockBox e como foi a experiência de cantar antigos sucessos do Fruto, Resgate e Oficina G3?

Esse projeto nasceu através de um dos líderes da Visão Mundial e a ideia era unir música e ação social. Gostaria muitíssimo que houvesse apresentações em várias partes do Brasil, porém, encontramos obstáculos e um deles é afinar nossas agendas e datas. Dependemos também de infraestrutura, pois os recursos precisam vir de quem está convidando, como por exemplo, uma igreja ou denominação.

Luciano Manga, Zé Bruno e Marcão em apresentação no Rock no Vale (Foto: Marco Antonio Afonso)

Inspirando Sonhos: Quais sentidos você atribui à palavra artista?

Talento, criatividade e sensibilidade.

Inspirando Sonhos: O que é a vida?

Sopro divino, energia, respiração, pulsação, amor e relacionamento.

Créditos da imagem de destaque e referentes à banda Oficina G3: Acervo pessoal de Luciano Manga

3 Comentários

  • André Posted 1 de novembro de 2018 20:52

    Manga, um grande ícone da música cristã. Lembro dos shows e do dia que ele andou de skate no palco. Fomos ao delírio. Só não sei até hoje porque o apelido dele é Manga. kkkkkkkk

  • Janaína Posted 1 de novembro de 2018 22:56

    André, ele conta tudo isso no livro.
    Bons tempos que não voltam mais. Ainda bem que pude ver tudo isso de perto.

  • Lucas Posted 3 de novembro de 2018 16:59

    Bem que podiam entrevistar o Zé e o Marcão, eles também são dinossauros do rock gospel!!!!

Adicionar Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados *